22 de maio de 2006

“No avesso da montanha”


Mudando de assunto, vamos falar de Chico Buarque. E do seu novo disco, "Carioca”. Continua no mesmo nível dos outros, com uma diferença: não há nenhuma música que seja fácil de sair cantarolando. São canções mais melódicas e letras menos fáceis. Continua o lirismo, a crítica social sem demagogia e, sua maior característica, os versos geniais. Então, como gosto de rankings, acabei de montar o indispensável Top 10 Versos Geniais do Novo Disco do Chico.

Música: Subúrbio

“No avesso da montanha é labirinto, é contra-senha, é cara a tapa”. É maravilhoso criar a imagem de que o subúrbio carioca está no “avesso da montanha”.

“É pau, é pedra, é fim de linha, é lenha, é fogo, é foda”. Este verso nem é tão genial pela letra, mas pela forma que ele canta. Qualquer outro gritaria o “é foda” bem alto, porque qualquer palavrão em música garante sucesso fácil. Mas, ao invés disso, ele atropela a palavra, que fica quase imperceptível. Mantém a expressão e a elegância ao mesmo tempo.

“Fala Maré, fala Madureira, fala Meriti, Nova Iguaçu, fala Paciência”. “Paciência” é o último dos bairros a ser citado. Mais perfeito, impossível.

Outros Sonhos

“Guris inertes no chão falavam de astronomia”. No seu sonho os meninos no chão, ao invés de estarem muito loucos de cheirar cola, olham as estrelas.

“Maconha só se comprava na tabacaria. Drogas na drogaria”. Acho que é o verso com mais significados implícitos do disco. Além de dar uma solução pro fim do tráfico, ele “afirma” que maconha não é droga.

As Atrizes

“Dançava colada em novos pares, com um pé atrás, com um pé a fim”. Genial! A letra fala das atrizes francesas que ele conheceu em Paris, quando era criança. E, mesmo sendo mulheres que “escolhiam qualquer um e lançavam olhares” (como diz em outro trecho), Chico tentou mostrar que mesmo as mulheres “fáceis” têm essa eterna dúvida de “será que devo me entregar?” (desculpe-me a frase brega). Ou seja, “ficam com um pé atrás, com um pé a fim”.

Ela faz Cinema

“Quando ela chora, não sei se é dos olhos pra fora, não sei do que ri”. As atrizes fingem que choram. Ou, como ele disse, “choram dos olhos pra fora”.

“Quando ela mente, não sei se ela deveras sente o que mente pra mim”. Vale pela citação escondida a Fernando Pessoa.

Renata Maria

“Ela, era ela, era ela no centro da tela daquela manhã. Tudo o que não era se desvaneceu”. Enquanto a “Renata” sai do mar, sua imagem é a única coisa existente aos olhos do observador. Tudo ao redor se congela. A ponto das ondas ficarem “suspensas no ar”.

“(Quieto) como algum salva-vidas no banco dos réus”. Esse eu não entendi, mas achei genial!

5 comentários:

Julia Moraes disse...

Já até comentamos o assunto, né? Ótimo texto! Para completar incluiria uns versos da música leve, que o Chico fez com o Carlinhos Vergueiro:

"Pense como eu vim de leve
Machuquei você de leve
E me retirei com pés de lã"

Tem algo mais leve que pés de lã? Adorei.

Liginha disse...

Finalmente tá marcado o grande dia! Vamos ver se tudo será como imaginamos...

Beijinhos, meu amor!

Rita disse...

Oi mocinho!
Vim prestigiar seu blog, e debutar no mundo blogueiro...
Vc escreve muito bem, parabéns.
Visitarei mais vezes, e com mais tempo, comento seus escritos.
Um abraço!

Luli - da Comunidade do Chico (orkut) disse...

"'(Quieto) como algum salva-vidas no banco dos réus'. Esse eu não entendi, mas achei genial!"
hhehehe

Chico é gênio mesmo. Adorei o post, adorei tuas criticas, parabéns, escreves muito bem!

Abraço!

Natália Vieira disse...

Olá....

bem, depois de apelos sistemáticos na comunidade do Chico, resolvi comentar aqui. Para minha surpresa (tá, tá, não foi...), encontro comentários sobre o novo CD.

Subúrbio é realmente fantástica, ressalto ainda a genialidade de outros versos como "Casas sem cor/
Ruas de pó, cidade/ Que não se pinta/ Que é sem vaidade" (preciso dizer alguma coisa??? Retrata mais do que nunca os problemas sociais do Brasil) e "Lá tem Jesus/ E está de costas" Deus presente, mas meio que desdenhando, fingindo que não vê.

Ainda bem que "leve" já foi lembrada pela Júlia. Bom uso da palavra "leve" e mais legal ainda a lembrança de como é fim de relacionamento "Não se atire do terraço, não arranque minha cabeça
Da sua cortiça/ Não beba muita cachaça, não se esqueça depressa de mim, sim?"

Duas músicas que eu também sou apaixonada: Dura na Queda (que foi a primeira a me conquistar) e bolero blues que tem um dos enredos mais interessantes- é uma história com final ao mesmo tempo triste, já que ele não fica com ela), mas feliz por ele saber que um dia não vai mais se importar...

Abraços,

Natália