30 de novembro de 2007

Samba do grande amor

Muitas sensações vêm ao peito. Poucas permanecem. Apenas a angústia se acomodou, com toda a tranqüilidade, e neste momento está lendo jornal no melhor sofá da alma preta-e-branca. Faltam dois dias para o jogo decisivo. “Pára, isto é só futebol”, exclamam alguns desavisados. Não, não é só futebol. Isto é Corinthians. O time do povo. E, tal qual o povo, cheio de imperfeições. Ingênuo, maltratado, enganado e sofrido. E só peço que domingo esse sentimento deixe em paz meu coração, que ele é um pote até aqui de mágoa.

Por falar em pote até aqui de mágoa, me lembro de algumas músicas do Chico (afinal, este é um blog musical; por força das circunstâncias o Corinthians se fez presente). Ele cantou para o povo, cantou para a massa, cantou para amenizar desesperos, cantou a favor dos injustiçados, cantou para alentar esperanças. E, agora, nenhum outro grupo social se enquadra mais neste perfil do que a torcida corintiana. Há pouco começou a tocar “Cordão” no rádio. No campo da idealização, imagino a torcida, como numa corrente, cantando no Estádio Olímpico antes da partida: “Eu não vou desesperar/ Eu não vou renunciar/ Fugir/ Ninguém/ Ninguém vai me acorrentar/ Enquanto eu puder cantar/ Enquanto eu puder sorrir/ Ninguém/ Ninguém vai me ver sofrer/ Ninguém vai me surpreender/ Na noite da solidão/ Pois quem tiver nada pra perder/ Vai formar comigo o imenso cordão”.

E que esse cordão contagie os jogadores. Que a bola estufe a rede de Sajas. Que o Felipe continue sendo o Felipe. Que o Vampeta tenha nascido quatro anos a mais do que em sua certidão. Que Lulinha seja um jogador de R$ 50 milhões. Que Dualibs e Kias da vida, que inventaram de inventar toda a escuridão, sejam esquecidos. Que os jogadores tenham precisão de flecha e folha seca. Vamos, Corinthians. Domingo, coincidentemente o dia nacional do samba, é a hora da minha gente sofrida ver a banda passar cantando coisas de amor. Um samba do grande amor.

Um comentário:

Daniel disse...

Bruno

Boa sorte ao seu Corinthians, de verdade. Ele não pode cair.
É o time que eu mais odeio no Brasil, depois do Inter, mas sera uma perda incalculável pro futebol brasileiro o Corinthians na série B.
Mas lembre-se: a série B pode ser um lugar onde as forças se renovam e a identidade do clube é fortalecida.
O timão na série B pode significar para o clube, um ganho. Certamente a união clube-torcida se fortalecerá. E a desastrosa parceria com os "lavadores" da MSI será apagada da lembrança.
O Corinthians é povo, e a série B fará (se isso acontecer) com que esse povo reerga o Corinthians, como aconteceu com o meu Grêmio.

Mas eu disse lá em cima que não quero que o Corinthians caia. Sabe o motivo que me leva a falar isso?

Eu digo:
O Corinthians passaria um ano na série B, e o seu retorno (pelos motivos já explicitados)seria acachapante.
Acho que o Corinthians passa um ano na série B, e depois volta ganhando até partida de truco.
Então, pro bem do meu Grêmio em 2009, quero o Corinthians na série A em 2008.
Abraço.